setembro 28, 2021
Colunistas

Desmascarados: “Moro e seus parceiros, como Deltan, merecem cadeia”

Edivaldo Júnior

Em plena pandemia Sérgio Moro foi “desmascarado”. Neste caso, o ato é simbólico. O ex-juiz foi declarado suspeito no julgamento de Lula. Em outras palavras, o Supremo Tribunal Federal considerou que ele foi parcial, algo não apenas indesejável, mas completamente inaceitável (e criminoso) na ação de um magistrado.

Neste caso, o STF apenas confirmou o que já se sabia: que houve manipulação em todo o processo de condenação do ex-presidente. A percepção da parcialidade do ex-juiz – para quem ainda tem dúvidas – foi fartamente comprovada nas mensagens trocadas entre membros da força tarefa da lava jato em Curitiba.

A Justiça mais uma vez foi tardia. Imagina se a suspeição de Moro sai antes da eleição de 2018?

Faccioso

Um dos mais duros críticos do ex-ministro Moro, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) foi ao Twitter para repercutir a decisão do STF: “Caiu de vez a máscara de Moro. O STF decidiu que ele é faccioso e perseguiu o ex-presidente Lula. Moro e seus parceiros, como Deltan, merecem cadeia. A Justiça está sendo feita. Todo mundo tem direito a um julgamento justo e a um Juiz imparcial.”

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, também repercutiu no Twitter a decisão que tornou Moro suspeito. Para ele, a Lava Jato cumpriu seu papel contra a corrução, mas isso não seria motivo para “perdoar” os momentos de parcialidades e perseguições.

“O Supremo Tribunal Federal decidiu fazer uma revisão histórica sobre a Lava Jato. A Operação jamais poderá ser contestada em sua coragem de enfrentar os poderosos, os grandes interesses, a corrupção sistêmica. Mas o Estado Policial, para o qual a Lava Jato descambou em certos momentos, lamentavelmente, com suas parcialidades, seletividade e perseguições, jamais poderá também merecer o perdão da História”, disse Arthur Lira.