maio 15, 2021
Destaque

Dólar dispara e bate em R$ 5,75 com fiasco econômico de Paulo Guedes e Bolsonaro

Moeda americana tem forte alta nesta quarta-feira diante da evidência do fracasso da gestão de Paulo Guedes na economia

Reuters e Wilson Dias/Agência Brasil

Brasil 247

O dólar opera com forte alta nesta quarta-feira, cotado a R$ 5,75, o que evidencia o fracasso de Paulo Guedes na condução econômica. A queda de 4,1% do PIB no acumulado de 2020, divulgada hoje, foi a maior em 24 anos. Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais sobre a queda do PIB:

Sputnik – Nesta quarta-feira (3), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), informou que o Brasil teve uma queda de 4,1% no Produto Interno Bruto (PIB) em 2020.

Com isso, a sequência de três anos de leve crescimento econômico foi interrompida.

“É o maior recuo anual da série iniciada em 1996. Esta queda interrompeu o crescimento de três anos seguidos, de 2017 a 2019, quando o PIB acumulou alta de 4,6%”, informou o IBGE.
A taxa de crescimento foi a menor da série histórica iniciada em 1996, segundo o IBGE.

No quarto trimestre o país teve alta de 3,2% em relação ao terceiro trimestre. Em relação ao quarto trimestre de 2019, a queda foi de 1,1%, segundo o portal Valor Investe.

Em 2020, os serviços encolheram 4,5% e a indústria 3,5%, juntos, estes fatores representaram 95% da economia nacional.

Até então, a maior queda registrada tinha sido a de 2015, quando o PIB do Brasil despencou 3,5%.

De acordo com o IBGE, o auge das medidas de restrição ao contato social na tentativa de conter a COVID-19 contribuiu para o resultado anual de 2020, já que ocorreu uma paralisação quase total das atividades a partir do início de março do ano passado.

“O resultado é efeito da pandemia de Covid-19, quando diversas atividades econômicas foram parcial ou totalmente paralisadas para controle da disseminação do vírus. Mesmo quando começou a flexibilização do distanciamento social, muitas pessoas permaneceram receosas de consumir, principalmente os serviços que podem provocar aglomeração”, explicou a coordenadora de Contas Nacionais, Rebeca Palis.
O setor da Agropecuária foi o único a apresentar alta (2%), enquanto que a Indústria (-3,5%) e os Serviços (-4,5%) apresentaram queda.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia.