junho 16, 2021
Destaque

Entrevista reveladora: “nenhum chefe de Estado ficou tão contra a vacina quanto Bolsonaro”

Edivaldo Júnior

Relator da CPI da Covid-19, o senador Renan Calheiros deu entrevista de 40 minutos para a estreia do Malu tá ON, podcast semanal da jornalista e colunista de O Globo Mau Gaspar.

Na conversa com Malu, durante intervalo da CPI na quinta-feira passada,6, Renan fala de Lula, Bolsonaro, Moro, Lava Jato, e principalmente da investigação dos fatos que levaram o Brasil a perder mais de 400 mil vidas na pandemia.

Na conversa, ao ser questionado no interesse em disputar a vice-presidência, Renan Calheiros descarta disputar qualquer candidatura.

“Não sou candidato a nada. Quero exercer bem o papel de relator. Não quero ser candidato a vice…”, respondeu.

A frase que mais repercutir, na mídia sobre Bolsoanro, é que está no título – “Nenhum chefe de Estado ficou tão contra a vacina quanto Bolsonaro”.

O senador também falou sobre os ataques que vem sofrendo de bolsonaristas, incluindo acusações de que é investigado ou que pode ser parcial por ser pai do governador de Alagoas. As respostas de Renan são conhecidas. Ele fala como vem conseguindo responder as investigações, dois terços já arquivadas por falta de provas.

Sobre a suspeição, diz que não faz sentido. “Se houver algo de Alagoas a ser investigado, será investigado sim, assim como qualquer outro Estado, mas não pelo pai do governador, mas a comissão designará outro senador para fazer o relatório e eu no final acolherei no relatório final”, ponderou.

Malu também quis saber como Renan Calheiros conseguiu ser reeleito em 2018.

“O senhor é considerado um sobrevivente da política, inclusive dos emedebistas graúdos, só o senhor ficou…”

“Na eleição passada, com a política criminalizada foi um horror. Pra você ter uma ideia, no Nordeste só três senadores se reelegeram. Eu em Alagoas, Ciro Nogueira no Piaui e Humberto Costa em Pernambuco. O restante perdeu. No Norte só quatro senadores se reelegeram. No Centro-Oeste em diante, Sul e Sudeste nenhum senador se reelegeu. A política foi devastada por essa criminalização pela participação do Moro do ministério público e de setores da imprensa. Foi esse consórcio que lamentavelmente aconteceu e deu no que deu. Nunca houve uma mudança desse tamanho na vida da política do nosso país”, disse Renan.

Ao citar um funk com o nome do senador (“o Renan na comissão, de genocídio vai acusar mais de cem, derruba tudo feito dominó, derruba Bolsonaro e Pazuello também), Malu quer saber se quer derrubar Bolsonaro e Pazuello.

“Prefiro ver aqueles (funks) que falam assim capricha Renan, vai capricha, capricha…quero assumir o compromisso de que vou caprichar”, apontou senador.