maio 16, 2021
Saúde

Mercado da Produção será fechado para limpeza e higienização

Repórter Maceió

O Mercado da Produção, no bairro da Levada, em Maceió, será fechado para ações de limpeza e higienização durante quatro dias, para garantir maior segurança sanitária para os milhares de feirantes e clientes que frequentam o local diariamente.

As ações ocorrem no próximo domingo, dia 24, a partir das 13h, e na segunda (25) o dia inteiro; e na semana seguinte, seguem no domingo, dia 31, também a partir das 13h, e na segunda (1º) o dia inteiro.

As medidas que serão realizadas no Mercado foram definidas pelo grupo formado pelas secretarias municipais de Trabalho, Abastecimento e Economia Solidária (Semtabes); Desenvolvimento Sustentável (Sudes); Infraestrutura (Seminfra); Assistência Social (Semas) e Iluminação Pública (Sima), além do Gabinete de Gestão Integrada para o Enfrentamento à Covid-19 e a Vigilância Sanitária, com apoio do Exército.

De acordo com o diretor operacional da Sudes, Aerson Mendonça, um total de 60 colaboradores fará o trabalho de limpeza, recolhimento de entulhos, higienização e desinfecção, com apoio de um caminhão-pipa, quatro caçambas, uma retroescavadeira e um caminhão de poda.

Por sua vez, a Vigilância Sanitária fará a conscientização e treinamento dos comerciantes e da administração do Mercado quanto ao cumprimento das regras sanitárias do local, criando um grupo de multiplicadores e fiscais indiretos dos protocolos de higiene.

“Em época de Covid-19, os protocolos sanitários são mais rigorosos. Então temos que dar ao espaço um tratamento diferenciado, orientar, treinar as pessoas que ficam lá e fiscalizar de forma permanente. Queremos manter o Mercado aberto da forma mais segura possível”, reforçou o representante da Vigilância Sanitária, Nelson Menezes.

Para garantir o cumprimento das exigências de limpeza e higiene, a Semas fará a intermediação do trabalho entre a Prefeitura e os comerciantes. Há um total de 1478 boxes em um espaço de 14 mil metros quadrados, além de outros milhares de vendedores que atuam no entorno, somando cerca de 10 mil beneficiários diretos e indiretos.

“Vamos encontrar alguma resistência, mas queremos mostrar para eles a importância dessa ação e pedir bom senso a todos”, afirmou Dárbio França, representante da Semas.

Após as primeiras ações, o grupo de trabalho vai manter a limpeza periódica do local e ampliar as medidas para todas as feiras da capital. O cronograma será elaborado pela Semtabes, que tem um papel de coordenação junto ao GGI Covid-19.

“Nós fizemos o cronograma de execução dos mutirões para o Mercado da Produção e já vamos iniciar o planejamento para os demais mercados. Na segunda etapa devemos ir para o Mercado do Jacintinho. E a partir de fevereiro, cada dia visitaremos uma feira. Todo o corpo efetivo de fiscais e coordenação que já atua no local vai participar do trabalho”, confirmou o secretário-adjunto da Semtabes, Ronaldo Targino.

Selo de certificação

Após o primeiro momento, de limpeza e higienização, os comerciantes passarão a ser cobrados pelo cumprimento das normas sanitárias. Os boxes e barracas que seguirem adequadamente os protocolos receberão um adesivo de fácil visualização pelos consumidores, que servirá como uma espécie de selo de certificação.

Além disso, o sistema de som do Mercado irá orientar para que os clientes só adquiram produtos dos empreendedores que tiverem o adesivo em seu estabelecimento. Em caso de descumprimento, o comerciante pode ter o alvará de funcionamento suspenso. “A partir desses mutirões, estaremos rotineiramente nos mercados e feiras, para manter o cumprimento de regras de higiene por todos os permissionários e usuários. O ambiente é de todos, portanto todos recolhem o lixo, higienizam seus boxes, ou serão punidos”, afirmou Claydson Moura, coordenador do GGI Covid-19.