maio 16, 2021
Destaque

Reunião com Bolsonaro foi marcada por “constrangimento”, diz Renan Filho

O presidente do STF, Luiz Fux, o presidente da Câmara, Arthur Lira, o presidente Jair Bolsonaro, e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, durante declaração após reunião com ministros e governadores. Marcelo Camargo/Agência Brasil

Edivaldo Júnior

Único governador do Nordeste convidado por Jair Bolsonaro (sem partido) para a reunião com representantes dos poderes, Renan Filho não acredita que o encontro traga mudanças significativas na postura do presidente no combate à pandemia.

Em declaração ao UOL, o governador de Alagoas avaliou que o encontro foi marcado por um “clima de constrangimento geral”, apesar da participação majoritária de aliados do presidente. “Esse constrangimento é por conta dessa necessária inflexão, porque ele [Bolsonaro] não está sendo capaz de fazer o que o Brasil que precisa. As falas dos presidentes do Senado [Rodrigo Pacheco] e da Câmara [Arthur Lira] foram para defender a sociedade, mas eles são aliados constrangidos: defendem as medidas, mas vão só até um certo ponto. O Brasil precisa, mas não senti essa mudança [do presidente]”, afirmou Renan Filho ao UOL.

Para o governador, falta “convicção” para Bolsonaro mudar de comportamento: “O presidente está instado pela situação a fazer uma inflexão. Mas qual o problema? Ele não tem convicção. Até tem vontade, acha que precisa atenuar o discurso, mas não tem convicção. Ele vai fazer isso na questão da vacina, mas nas outras áreas vamos ter problemas”, disse o governador ao UOL, logo após a reunião, realizada na manhã de hoje (24) no Palácio da Alvorada, em Brasília, na qual foi discutida a criação de um comitê para contenção da pandemia.

Comitê

Nesta quarta-feira (24) a tarde, o governador Renan Filho (MDB) anunciou que Alagoas vai integrar o comitê anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para frear o avanço da Covid-19 em todo o país. Em entrevista, Renan Filho informou que o comitê vai atuar na articulação de estratégias nacionais para diminuir os números de novos casos e óbitos causados pela doença.

“Essa doença leva mais gente aos hospitais hoje, que todas as doenças somadas, por isso que a estratégia de combate à Covid precisa ser nacional”, pontuou o governador em entrevista ao programa ao programa Fique Alerta (TV Pajuçara).

“Eu sinto que o presidente, diante dos fatos, está tentando uma interlocução. Não é hora para política, é hora para solução”, acrescentou Renan Filho. Inicialmente, a ideia é que o comitê se reúna semanalmente para definir e direcionar estratégias para enfrentamento da doença em todo o território nacional. “A gente espera que com a chegada do novo ministro [da Saúde], o Brasil tenha novas soluções nos próximos dias”, afirmou o governador.